5 de out de 2006

O Lula com o Collor ao lado, me obriga a acreditar que este é uma país generoso, que consegue pelas penas, converter aqueles que erraram ou cometeram desvios de conduta.
Já foi assim no primeiro turno, quando o recuperado foi O Jader Barbalho.
Do outro lado, até por questões religiosas, o Alkminn, o Geraldo posa ao lado do casal Garotinho, depois de receber e adorar o apoio do José Roberto Arruda.
Voto não se escolhe, sempre se disse e tem sido repetido pelos dois. Só que mais do que o voto, está em jogo algo muito mais importante. Mais até que o apoio. O que vai acontecer com esses recuperados ( ou será que eles não mudaram..) é que vão cobrar recompensas logo alí. E nós vamos continuar assistindo uma farta distribuição de cargos e favores a ponto de passar a acreditar que os convertidos são justamente os dois candidatos, mas para o lado que mais agrada aqueles que prestam seus apoios. para o lado do negócio, da venda, do trambique.
O De Gaulle disse ( dizem que é lenda..) qu este não é um país sério. Se não disse quem inventou tinha mais razão. Hoje isso se chama modernamente de governabilidade.. Bonito nome para uma coisa muito triste e feia.